Home » Dicas de Viagem » 7 dicas para quem viaja sozinho
Dicas de Viagem

7 dicas para quem viaja sozinho

Recolha o máximo de informações do local que irá visitar e trace um roteiro

É bom coletar muitas informações do local cujo você está investindo seu dinheiro e tempo para conhecer. Procure conversar com um amigo que já foi e ler artigos, posts e até assistir a vídeos na internet que falem da cidade. Fazendo isso, você estará se prevenindo de furadas que poderia cair e ainda ganhará tempo.

Roteiro HU
É sempre bom estar bem informado. Durante a viagem, não é diferente

Depois de definir os dias de ida e volta e ficar por dentro dos pontos dos locais que mais te interessam em uma cidade, ou em um país, trace um roteiro. Definindo os lugares que você quer conhecer e anotando tudo em uma folha, no seu celular ou no notebook, você vai poder fazer reservas em albergues e comprar passagens antecipadamente (e consequentemente com desconto!), e saber se suas datas serão compatíveis com alguma festa ou evento que ocorra na cidade, como uma partida de futebol ou uma exposição de arte, por exemplo.

Um smartphone com Google Maps ou GPS será sempre muito útil

Se você estiver indo para um lugar onde não conhece nada, vai precisar de alguma coisa que te situe e indique o caminho certo para seu destino desejado. E cá entre nós, aquele mapa clássico (de papel, lembra?) é válido, mas hoje temos nossa vida facilitada por essas belezas do mundo moderno chamadas smartphones. Com eles, podemos ativar o mapa por comando de voz, gravar rotas, saber onde há um restaurante, um hospital, um banco, ter noção dos minutos (ou horas) que seriam gastos através de uma caminhada, ou tempo levaríamos traçando o mesmo trajeto de carro, ônibus ou metrô.

Celular com GPS HU
A tecnologia facilita – e muito – a vida de quem viaja sozinho

Os celulares inteligentes também são mais práticos, pois muitos (ainda) cabem no bolso, e portabilidade é uma palavra que qualquer viajante ama. Só tenha cuidado, e faça uso de seu aparelho dentro de algum lugar seguro. Nada de ficar com cara de perdido no meio de uma praça movimentada ou de uma rua qualquer porque, ao contrário do mapa de papel, esse “mapa” custa caro e todo mundo quer ter um.

Veja também:  Jovem com perna amputada documenta mochilão de forma criativa

Evite agendar transfers do aeroporto para seu local de hospedagem

Simplesmente porque os preços, na maioria das vezes, são bem maiores que os cobrados pelos transportes convencionais da cidade. Seu hostel, pousada ou hotel provavelmente estará situado em algum ponto da cidade que possui circulação de algum tipo de transporte público, que é sempre uma alternativa mais em conta que o transfer. Procure obter informações com algum funcionário do aeroporto. Ele poderá te indicar linhas de ônibus, metrô ou trem que podem te levar ao seu local pretendido pelo mesmo preço que um morador da cidade pagaria. Uma outra opção ao transfer é o táxi, mas tome cuidado como eles. Explicaremos o porquê no próximo tópico.

Procure ficar por dentro das malandragens da população local

Nada contra os taxistas, mas eles são pessoas, e pessoas gostam de tirar vantagens de outras. Pode ser no Rio de Janeiro, em Lima (Peru), em Bangkok (Tailândia), em Praga (República Tcheca) e mais uma porção de cidades no mundo, que você pode ser enrolado. É preciso ficar atento para não ser passado para trás. No Rio de Janeiro, alguns taxistas levam uma hora para fazer um trajeto que poderia ter sido feito em 30 minutos, já no sul da Ásia Oriental, os taxistas, que transportam os turistas nos veículos de três rodas conhecidos como Tuk Tuk, costumam parar e joalherias, lojas de tecidos e afins, sem a permissão do passageiro. Eles também dão notícias negativas sobre o local que você está indo (quando vocês já estão chegando) afirmando, por exemplo, que tal lugar está fechado para obras, limpeza ou orações. Tudo mentira. Eles só estão tentando dar mais umas voltas com você no Tuk Tuk deles. Um smartphone, uma das dicas citadas, pode ajudar muito num momento como esse. Já entre no táxi falando o nome da rua e diga o nome de outras que dão acesso a ela. Diga quantos quilômetros vocês estão distantes do destino e o tempo estimado que o seu GPS informou a você, enfim, mostre (finja) que conhece o lugar. Tente não parecer só um gringo perdido e cheios de notas para perder.

Veja também:  Viajar sozinho é nova tendência, aponta pesquisa do Pinterest
Tuk Tuk Táxi HU
Essa é a visão de dentro de um autêntico Tuk Tuk

Outra situação bizarra que acontece é a de pessoas cobraram por informações. Isso mesmo, em alguns lugares, uma pessoa, que percebe que você está perdido, te aborda, pergunta se você precisa de ajuda e se oferece para te levar até seu ponto desejado. Esse sujeito geralmente é bem simpático e você acaba achando que ele está fazendo tudo na camaradagem, até chegar ao local e ele te cobrar pelo “serviço” prestado. É claro que você pode pedir informações, mas evite favores demasiados e pessoas que estão querendo ser muito boazinhas.

Leve o máximo de medicamentos com você

Ir ao médico é muito chato. Imagina ir ao médico durante a viagem. E ter que se consultar em um país que ninguém fala sua língua  Ninguém quer desperdiçar o precioso tempo de uma viagem ficando doente, né? E, durante a jornada, sua mãe estará longe para fazer uma comidinha especial e cuidar do bebezinho dela. Por isso, leve sempre com você aqueles remédios mais “básicos” para combater os problemas mais comuns que podem ocorrer sempre, inclusive durante uma viagem. Ex: remédios para dor de cabeça, náusea, dores no corpo, e, claro, aqueles que curam milagrosamente a ressaca.

Medicamentos HU
Para, literalmente, não ter dores de cabeça durante a viagem

Caso você tome remédios diariamente, leve com você a quantidade que você vai precisar tomar durante todos os dias e, se puder, pegue mais do mesmo remédio e ponha em outra parte da mala só para garantir. Levar a receita médica dos remédios que você ingere regularmente também é uma boa ideia. Entretanto, caso se sinta mal a ponto de os remédios convencionais não darem conta, dê uma pausa na diversão e procure um médico. Até porque você quer viajar outras vezes, não é?

Tenha cuidado com as pessoas que você conhece ao longo da viagem

Festa viagem HU
Curtição, música, azaração, bebida, um lugar novo… estou no paraíso!

Como dizia minha vó: “o seguro morreu de velho e o desconfiado ainda vive.” Essa é uma frase que vale para todo o post. Mas cai se encaixa perfeitamente nesse tópico. Viajando você vai conhecer muitas pessoas. Infelizmente, nem todas estarão bem intencionadas. Algumas você consegue perceber de cara e descarta logo. Mas, outras poderão conquistar sua simpatia com meia dúzia de palavras e um sorriso bonitinho. Geralmente, quando se está viajando, se tem a sensação de que tudo é mágico, mais belo e que todas as coisas e pessoas são boas e nada poderá lhe fazer mal. É bom não deixar esse sentimento inexpugnável tomar conta de você e agir com sobriedade. Aquele cara – ou até aquela mulher – que parecia tão legal e bonzinho na mesa do bar, no parque ou na festinha pode não ser tão gente fina quando estive a sós com você numa outra ocasião.

Veja também:  10 coisas que só fazemos quando estamos viajando

Procure saber qual é a melhor época para visitar seu destino

Você já está ansioso para conhecer a neve, esquiar, andar de snowboard, mas… é verão em Bariloche. O branco que cobria as montanhas como camadas de algodão deu lugar ao verde, que, ao contrário do seu significado nos semáforos, não permite ao viajante seguir em frente e se divertir na neve.

Bariloche no verão
Algumas montanhas em Bariloche. Sem a neve habitual são apenas montanhas

Outra história triste pode ser contada por quem já optou por viajar para países como Marrocos, por exemplo, no verão. Você vai poder contar nos seus dedos suados os dias que o termômetro marcar menos de 40 graus Celsius. Para evitar essas frustrações e mancadas, não custa nada fazer uma pesquisa rápida na internet para descobrir qual é a melhor época para viajar para uma determinada cidade. Vale lembrar que nem todas as cidades podem ser consideradas uma “furada” fora do período de alta temporada. As duas cidades citadas servem como exemplo. Há muito o que fazer em Bariloche afora a neve, e o calor de Marrocos pode ser justamente o ponto alto da viagem para alguns.

2 comentários

Clique aqui para comentar

  • Tenho 71 anos, viajo sempre sozinha e, por ser dona de um raciocínio lógico, sempre pratiquei essas dicas.
    O que ¨pega¨pra mim , são as promoções oferecidas sempre pra duas ou mais pessoas.
    Quem não tem companhia pra viajar, não pode usufruir desses descontos .