Home » Dicas de Viagem » Beelitz – Um hospital abandonado à beira do alento
Dicas de Viagem Internacionais

Beelitz – Um hospital abandonado à beira do alento

Continuação do roteiro da viajante HU Stefani Costa. Se quiser ler o primeiro post, clique aqui e conheça Viena!

Depois de deixar Berlim, viajei de carro pelo interior da Alemanha na companhia de alguns amigos austríacos. Empolgados e a procura de histórias, resolvemos parar nos arredores de Potsdam para conhecer o Sanatório de Beelitz (Beelitz Heilstätten, em alemão), um complexo hospitalar construído em 1898, com o intuito de atender, principalmente, pessoas com tuberculose e problemas respiratórios.

 

Sanatório de Beelitz
Sanatório de Beelitz, um lugar cheio de histórias e mistério.


A floresta de Beelitzer (a 60 km da capital alemã) foi a escolhida para abrigar o sanatório, pois era considerada uma região tranquila e de paisagem agradável. O hospital em si possui uma arquitetura bem bonita e ampla, sendo que conta com, ao todo, 60 prédios.
Em 1914, quando começou a Primeira Guerra Mundial, o local foi bastante requisitado para cuidar dos militares e feridos do exército alemão. Inclusive, o ainda soldado Adolf Hitler foi enviado até lá para o tratamento de uma lesão na coxa e para curar os ferimentos causados durante a Batalha de Somme.

 

Beelitz
Até Adolf Hitler já recebeu cuidados no hospital, em 1914.

O pós-guerra fez com que o hospital se expandisse no início dos anos 20, graças aos avanços nos tratamentos de enfermos e militares. Para facilitar a vida de quem trabalhava no sanatório, foram construídos açougues, padarias, restaurantes e lavanderias.
Durante a Segunda Guerra Mundial e comandados pelo exército nazista, o sanatório foi utilizado para diversos tipos de experimentos desumanos nos porões dos prédios, enquanto o hospital funcionava normalmente.

Beelitz
Mas não é só de hospital que o Beelitz é feito: o sanatório também tem muita história pra contar!

Em 1945, após a derrota alemã, o país se dividiu entre Alemanha Oriental e Ocidental, e a União Soviética assumiu a gerência de Beelitz, que ficou com a posse até 1995, mesmo após a queda do Muro de Berlim e da reunificação do país.
Algumas tentativas de privatização foram realizadas, mas nenhuma se concretizou de fato. Algumas partes do conjunto de prédios foram destinadas às pesquisas de reabilitação neurológica e assistência às vítimas de Parkinson. O resto da agregação, que inclui um campo de tiro, uma ala psiquiátrica e as seções de cirurgias, foi abandonado no ano de 2000, tornando-se um mausoléu a céu aberto, sem nenhum tipo de segurança.

 

Beelitz
Cenas do filme O Pianista foram gravadas no local.

Hoje, o local serve como referência para historiadores, ensaios fotográficos e gravações de filmes – cenas de O Pianista (2002), do diretor Roman Polanski, foram gravadas em Beelitz. Para os adoradores de locais mórbidos e assustadores, as ruínas do hospital também servem como inspiração.

Texto enviado pela viajante HU Stefani Costa.