Home » Dicas de Viagem » Copa das Confederações – O que fazer em Salvador antes e depois de a bola rolar
Dicas de Viagem Nacionais

Copa das Confederações – O que fazer em Salvador antes e depois de a bola rolar

Salvador é a última cidade onde o Brasil jogará pela primeira fase da Copa das Confederações. O confronto será contra a Itália, adversário mais forte do grupo, no dia 22 de junho, às 16h. O Brasil pode voltar a jogar para os soteropolitanos na disputa pelo terceiro lugar. Mas essa partida só acontece se os convocados de Felipão perderem o jogo da semifinal.

Arena Fonte Nova
Uruguai e Nigéria farão o primeiro jogo da Copa das Confederações na Arena Fonte Nova

Conhecida como a “capital da alegria”, berço de grandes nomes do cenário artístico, Salvador é uma das mais cativantes cidades do Brasil. Com opções para todos os gostos: praias, belezas naturais, locais históricos, muita música, gastronomia famosa, religiosidade e capoeira; a capital baiana tem tudo para agradar a todos.

Centro Histórico de Salvador

Se Salvador carrega a fama que tem hoje, no Brasil e no mundo, deve grande parte dela ao seu Centro Histórico. Mesmo com belas praias, culinária excelente, festas e tradições culturais fortíssima; o grande motivo de milhares de pessoas quererem conhecer Salvador é a área histórica localizada na parte alta da cidade.

Em 1985 a UNESCO concedeu ao Centro Histórico de Salvador o título de Patrimônio Mundial da Humanidade. Três bairros compõem o centro: Pilar, Sé e Pelourinho. O último é disparado o mais famoso e procurado pelos turistas. Aliás, foi com as ladeiras e casarões históricos servindo como pano de fundo que Michael Jackson gravou parte do clipe da música “They Don’t Care About Us“, em uma de suas estrondosas passagens pelo Brasil.

Pelourinho noite
Pelourinho e uma de suas tantas ladeiras

E por falar em casarões históricos, só no bairro do Pelourinho estão mais de 800. Boa parte deles está bem preservado e abriga restaurantes, ateliês, lojas e museus. Há, ainda, igrejas históricas, como a de São Francisco, erguida em 1723 e considerada uma das mais magníficas obras do barroco mundial.

Veja também:  Descubra qual é a viagem nacional perfeita com seu signo

Além da Igreja e Convento de São Francisco, quando estiver no Pelourinho aproveite para visitar o Museu Afro-Brasileiro, a bela Catedral de Salvador, a Casa Ruy Barbosa, o Palácio Rio Branco, e, é claro, o Elevador Lacerda.

E é no Pelourinho que o Olodum faz suas apresentações fixas. Durante todas as terças-feiras de verão os ensaios são realizados na Praça Tereza Batista e embalados por clássicos como “Faraó”, “Protesto Olodum”, “Egito” “Madagascar” e “Rosa”.

Olodum no Centro Histórico
O Olodum faz ensaios no Pelourinho durante todas as terças-feiras de verão.

 Praias

Assim como em Fortaleza, a maioria das praias do centro não são as mais indicadas para quem faz questão de dar um mergulho. A praia do Farol da Barra, do Porto da Barra e de Jaguaribe são as que não entram na lista de “impróprias para o banho”, por isso, costumam ficar bem cheias, principalmente durante o verão.

Praia do Farol da Barra
Praia do Farol da Barra, cartão-postal da cidade

As praias do Norte são mais vazias e abrigam águas em tom de verde cristalino. Elas também são famosas por formarem piscinas naturais, que são ótimas para mergulhadores e crianças. Eternizada na poesia musicada de Vinícius de Moraes e Toquinho, Itapuã é a praia mais famosa do litoral norte. Os coqueiros, as areias bem brancas e o farol, um cartão-postal de Salvador, não deixam qualquer resquício de dúvida quanto a magia que é passar uma tarde em Itapuã.

 

Piatã

Não tem a  fama de Itapuã. Logo, menos pessoas visitam a praia, o que garante mais espaço na areia e no mar. O mar de Piatã possui pontos abrigados que formam verdadeiros aquários em pleno mar, permitindo que o banhista veja peixes e outras espécies de animais marinhos passando a seus pés. Para encontrar piscinas naturais o ideal é ir quando a maré estiver baixa.

 

Stella Maris

é uma das prediletas da galera do surfe. E se o mar estiver flat (sem ondas), a galera que não larga uma prancha pode partir para uma sessão de sandboard nas dunas locais. Assim como praticamente todas as praias de Salvador, Stella Maris possui barracas que oferecem drinks e petiscos para os banhistas. A dica que o Blog HU dá é: pesquise bem onde vai parar, pois os preços variam muito de uma barraca para outra.

Veja também:  Os 5 melhores hotéis fazenda para viajar pelo Brasil

 

Flamengo

é uma praia com características mais rústicas – não tem avenida à beira-mar e é emoldurada por coqueiros e dunas. O local é muito frequentado por grupos de jovens, que se encontram em locais como a Barraca do Lôro, e também por famílias que querem curtir uma praia com menos ambulantes e mais natureza.

 

Praia do Flamengo
Praia do Flamengo – Tranquilidade em uma praia menos urbana

Mercado Modelo

As 263 lojas do prédio de estilo neoclássico,  tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, fazem a alegria dos viajantes que adoram comprar lembrancinhas durante a viagem.

No maior shopping de artesanato do Brasil, localizado no bairro do Comércio (Cidade Baixa ) e de frente para a Baía de Todos os Santos,  é possível encontrar os mais diversos tipos de artesanato e produtos tipicamente baianos.

 

Mercado Modelo
O Mercado Modelo funciona de segunda-feira a sábado, das 9h às 19h, e das 9h às 14h aos domingos e feriados

Além das lojas, dois restaurantes e diversos bares e pequenos restaurantes, estão espalhados pelos dois pisos do casarão construído em 1861, para ser utilizado como terceira alfândega de Salvador.

Mas se engana quem pensa que o Mercado Modelo é apenas um espaço comercial. Apesar do nome, o local recebe intervenções culturais e artísticas,  como as rodas de capoeira, que são um retrato do espírito e da ginga e da energia dos locais.

Locomoção

Alugar um carro pode ser uma boa ideia para visitar pontos mais distantes, como as praias do litoral norte. Mas, para visitar o Pelourinho  e o Centro, opte pelo transporte público. É muito difícil achar vaga para estacionar o carro, e  algumas horam em um estacionamento particular pode sair caro.

Os ônibus circulam tanto pela orla quanto pelo centro e podem suprir tranquilamente suas necessidades de locomoção. Caso queira mais conforto e agilidade, a oferta de táxis é bem grande. E o preço justo.

Veja também:  Maior livraria flutuante do mundo chega ao Rio de Janeiro

Para os que não têm muito tempo, ou para quem gosta de fazer um passeio tipicamente turístico, o Salvadorbus aparece como uma boa alternativa. Um tour que dura, em média, três horas e meia passa por pontos turísticos importantes como Pelourinho, Elevador Lacerda, Igreja do Bonfim, Marina, Dique do Tororó e Mercado Modelo.

Gastronomia

O acarajé é o grande clássico. E em Salvador encontrar uma barraquinha com uma baiana em trajes típicos vendendo o quitute é tão fácil quanto achar areia no deserto. Os acarajés mais famosos de Salvador são preparados por Dinha e Regina, no Largo de Santana, que fica no bairro Rio Vermelho.

Se você gosta de fugir do óbvio, peça um bolinho de estudante, que pode ser encontrado nas mesmas barracas que vendem acarajé. No entanto, segundo Jorge Amado, que cita o bolinho é um dos seus romances (O Sumiço da Santa) “…o nome é punheta, Bolinho de Estudante é pronúncia de besta!”. O bolinho é à base de coco.

 

Bolinho de Estudante
Bolinho de Estudante – O nome veio por conta dos ingredientes necessários para fazer o quitute que, de tão baratos, podem ser comprados até por estudantes

E como de costume, além de dar as dicas, o HU oferece os melhores pacotes para você viajar. Clique aqui e divirta-se em Salvador.