Home » Economia » O Viajante pós-coronavírus, por Gestão Financeira Criativa
Curiosidades Economia

O Viajante pós-coronavírus, por Gestão Financeira Criativa

O Coronavírus vem assombrando a humanidade: com hospitais lotados, milhões de infectados, milhares de mortos e nenhuma vacina ou medicamente ainda 100% eficazes. Justamente por conta disso, praticamente todas as cidades acabaram, em algum momento, tendo que decretar a quarentena, com o fechamento de estabelecimentos e fazendo muita gente ter que ficar em casa. Estamos vivendo um período totalmente inesperado e desafiador.

coronavirus Isto acabou caindo como uma bomba na economia, pois empresas de todos os segmentos e portes tiverem redução nas vendas, funcionários tiveram redução salarial e muita gente perdeu o emprego.

E o conjunto disso tudo acaba fazendo com que alguns comportamentos dos consumidores passassem por mudanças, muito em função da redução na renda, necessidade de ficar mais tempo em casa e maior preocupação com a higiene.

De acordo com uma pesquisa feita pela Toluna, muita gente já disse que manterá alguns hábitos da quarentena mesmo quando tudo passar. São estes hábitos: higienização constante das mãos (59,5% dos entrevistados), cozinhar (49,6%), fazer cursos online (43%), ir ao mercado ou farmácia somente quando for necessário (40,6%), home office (63,6%), fazer compras online (70%).

Além disso, de acordo com a pesquisa “Medo x Desejo: Qual será a conduta do consumidor pós-confinamento?”, feita pela G5, em relação ao setor que o consumidor está mais disposto a consumir com o novo cenário econômico temos: Alimentação e Bebidas (74,2%), Saúde (43%), Educação (26,3%), Bens duráveis (17,7%), Viagens (17,1%), Entretenimento (16,9%), Habitação (15,5%), Roupas e calçados (10,8%) e estética e beleza (10,4%). Além disso, 46,2% das pessoas disseram que não pretendem voltar à rotina que tinham antes da pandemia.

Novas formas de turismo pós-coronavírus

O Turismo foi um dos segmentos que mais sentiu os impactos do coronavirus.  De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil, em maio de 2019, foram transportados mais de 9 milhões de passageiros em linhas aéreas no Brasil. Com a pandemia, em maio de 2020, o número caiu para pouco mais de 590 mil passageiros. Companhias aéreas, agências de turismo, hotéis e cidades turísticas estão sentindo, e muito, os impactos da pandemia.

Veja também:  Homem mais novo a dar volta ao mundo cria Tinder para viajantes

No pós-pandemia, de acordo com o estudo da G5, num primeiro momento as pessoas voltarão a viajar para locais que possibilitem ir com o veículo próprio. As preferências estarão ligadas aos destinos com menor aglomeração, com atrativos ao ar livre, que possibilitem atividade familiar.

Além disso, boa parte das pessoas passará a preferir destinos que possibilitem fazer a reserva pela internet e, se possível, de última hora. Por isso, as empresas deste ramo precisam passar segurança terem boa presença digital, flexibilidade e pacotes inovadores.

Outro ponto que ganha muito destaque são as promoções e condições especiais. Com a crise, muita gente passou a ter redução na renda. O Programa Apoie o Turismo Brasileiro é ótima iniciativa que o Hurb criou, pois, além de oferecer viagens com condições especiais, ainda é uma forma de apoiar o setor do turismo.

apoie o turismo
Campanha Apoie o turismo brasileiro do Hurb..

Com este cenário de tensão, o que muita gente gostaria era de poder viajar. Porém, para muita gente isto só poderá ser feito mais para frente. Porém, utilize o tempo ao seu favor aproveite para desde já começar a planejar as finanças para próxima viagem. Ela será uma grande recompensa por tudo isto que estamos passando!

Victor Barboza

Especialista em finanças e fundador da GFCriativa